6i60pdla5c4a7ei5ojad1ay6whlp8a Oligoterapia | A Herbalista

Terapia de equilibrio dos oligoelementos, os micronutrientes, estes são metais e minerais encontrados naturalmente em todos os organismos vivo. Apesar de sua presença muito pequena, são essenciais para o bom funcionamento do corpo, pois permitem ativar o metabolismo e o sistema imunologico, cujo o equilibrio define nossa saúde.

O que é a Oligoterapia?

Nesta terapia utilizamos os oligoelementos da tabela periódica que são os micronutrientes, ou seja, minerais que nosso corpo necessita, onde a carência ou excesso são causadores de muito transtornos físicos, mentais e emocionais.

 

 Micronutrientes são minerais que qualquer organismo vivo precisa em pequenas quantidades para sobreviver e que são essenciais para a vida.

Oligo significa "escasso" ou "pequeno" em grego. Por extensão, o termo oligoelementos refere-se aos elementos químicos que estão presentes em quantidades mínimas no corpo estes não podem ser sintetizados pelo corpo e são normalmente trazidos pela ingestão de alimentos de plantas, animais ou água potável. Eles não são uma fonte direta de energia, mas são essenciais para a produção de proteínas essenciais à vida, bem como o bom funcionamento de nossas células.

Micronutrição consiste em satisfazer as necessidades de micronutrientes no indivíduo, através de uma dieta diversificada, combinada, se necessário, com uma suplementação personalizada. Baseia-se em pesquisas sobre conexões comprovadas entre dieta, saúde e prevenção.

Esquematicamente, encontramos em nossa comida:

- Macronutrientes que fornecem a energia e a força necessárias para o corpo. Estes são lipídios, carboidratos e proteínas.

- micronutrientes que não desempenham nenhum papel na energia, mas cujo papel é fundamental para o funcionamento de todos os metabolismos. Estas são vitaminas, minerais, oligoelementos, ácidos graxos essenciais, mas também flavonóides, aminoácidos, probióticos ... Todos estes elementos dão o valor nutricional da alimentação diária.

A indústria farmacêutica desenvolveu drogas que são muito eficazes em sintomas ou doenças instaladas: antibióticos, antiinflamatórios, antidepressivos, "anti-todos", que certamente são ativos, mas não participam do tratamento. regulação de distúrbios fisiológicos. O corpo não se defende com "anti", mas também com "pro". A micronutrição torna possível responder aos estressores aos quais o corpo é constantemente confrontado.

Todos são únicos: não temos o mesmo metabolismo nem as mesmas necessidades. Você tem que começar com o indivíduo e seu estado de saúde, não apenas do seu prato. É interessante adaptar a dieta de um indivíduo ao seu perfil pessoal. Uma dieta, mesmo equilibrada, pode não responder adequadamente às necessidades específicas de um indivíduo.

Considerados por muito tempo como fatores marginais na biologia e na nutrição de seres humanos, os oligoelementos ganharam nos últimos anos sua nobreza e até conhecem uma mania excessiva entre o público em geral. O surgimento destes
nutrientes não é apenas um fator de moda, mas acima de tudo o resultado de um progresso considerável no conhecimento do funcionamento de enzimas, hormonologia, imunologia e biologia molecular, que têm mostrado o importante papel desempenhado por estes
elementos nesta área.
A propriedade mais importante para explicar o papel destes minerais é a sua extraordinária capacidade de se ligar às proteínas, modificando, fixando a forma destas proteínas e depois alterando as propriedades. A existência dessas proteínas chamadas metaloproteínas explica tanto o metabolismo quanto o modo de ação da maioria dos oligoelementos.

Definição dos Oligoelementos Essenciais


Os micronutrientes são uma classe de nutrientes que não são definidos por propriedades químicas ou propriedades biológicas homogêneas. Sua definição dada no início do século por Gabriel Bertrand é, acima de tudo, analítica, ao contrário dos principais elementos químicos do corpo humano (Tabela I), os oligoelementos estão presentes em um conteúdo de menos de 1 mg / kg de peso corporal.


Essencialidade dos Oligoelementos 


Os oligoelementos essenciais são aqueles que atendem aos critérios:


   Estar presente em tecidos vivos em uma concentração relativamente constante;
   causar, por sua remoção do corpo, anormalidades estruturais e fisiológicos em várias espécies;
   para prevenir ou curar esses distúrbios pela contribuição do único elemento.


Atualmente, graças ao progresso dos métodos de análise, a purificação de nutrientes básicos (água, carboidratos, proteínas, vitaminas), um número crescente de oligoelementos demonstrou ser essencial em doses mínimas. Dado o elevado nível de contribuição da poluição do meio ambiente, muitos minerais e metais pesados são encontrados em nosso corpo em um nível médio mais próximo do nível tóxico. 

Doença, geralmente crônica, na qual não são encontradas evidências de alterações orgânicas, apenas das funções, 15 a 20% dos doentes são portadores de doenças funcionais e toda doença orgânica costuma ser acompanhada de sintomas funcionais. A Oligoterapia trabalha para balancear a mineralização do indivíduo, pois um mineral consome e desiquilibra o outro e longos anos de deficiência e/ou excesso são os causadores dessas doenças.


O que é um distúrbio funcional?

   Micronutrientes podem ser tomados quando distúrbios funcionais estão presentes no indivíduo e não com a finalidade de preencher uma deficiência mineral ou tratar doença.

   Um distúrbio funcional é o resultado de uma disfunção do sistema imune menor / sistema hormonal / sistema neurovegetativo / sistema  intracerebral (serotonina, dopamina, aminoácidos, ...).

  

   Estes são alguns distúrbios funcionais para os quais a oligoterapia pode ser eficaz:

     

- Alergias e intolerâncias alimentares 
- Eczema
- Acne

- Enxaquecas, dores de cabeça

- Síndrome pré-menstrual 

- Inconveniência da menopausa

- Prevenção de infecções repetidas (otite, sinusite, amigdalite, bronquite, cistite, vaginite, etc.)

- Síndrome do intestino irritável

- Síndrome da gripe

- Cansaço

- Convalescença

- Disturbios do sono

- Distúrbios circulatório

- Distúrbios digestivos

- Distúrbios articulares

 

 A oligo-terapia é compatível com outros tratamentos.  Os micronutrientes podem ser tomados como terapia única ou ao mesmo tempo com drogas ou outros suplementos e outros produtos para a saúde.

 

 

O que é Oligoterapia?

   A oligoterapia é um tratamento personalizado onde utilizamos pequenas doses de oligoelementos - metais ou minerais como agentes terapêuticos com intuito de equilibrar.

 

 

 "Normalmente, os oligoelementos encontrados em nossa dieta "moderna" não são bem absorvidos em nosso organismo, também não há forma de comprovar a quantidade de oligoelementos de nossa alimentação diária, pois o solo pode estar desnutrido, além do alimento ser colhido ainda verde."

É certamente difícil emitir uma explicação finalista, no entanto, certas hipóteses explicam esse caráter indispensável dos oligoelementos. Desde o começo da vida eles estavam presente no estado de traço no mar original, onde as células vivas apareceram. Estes metais tinham propriedades naturais de catalisadores, especialmente de redox. Os primeiros seres vivos, tendo que realizar operações de catalisadores para obter sua energia, não podiam deixar de usar esses vestígios de metais para se ligar e controlar o oxigênio que acabara de aparecer no solo. É interessante notar que o conteúdo relativo de minerais nos fluidos corporais é próximo ao da água do mar. 

Por outro lado, seu baixo conteúdo fez deles candidatos ideais para serem usados como mensageiros e para servir nos indicadores da célula do estado do ambiente externo, e depois para o corpo de suas contribuições alimentares. Essas duas funções: catálise e contribuição para a mensagem hormonal constituem a base da ação dos oligoelementos.

 

 

A história da Oligoterapia

 

Início do século XX na França, em 1894 - Gabriel Bertrand (Institut Pasteur, França) descobre os  "micronutrientes", íons que dão a qualidade do solo e desempenham um papel no desenvolvimento de organismos vivos, seguindo sua pesquisa sobre a composição elementar dos tecidos. organismos e as transformações químicas que caracterizam sua atividade biológica. 

 

Em 1932 , o Dr. Jacques Ménétrier desenvolve soluções de diferentes elementos traços e define um método terapêutico que perturba os princípios da medicina oficial. A medicina de campo, ou funcional, a oligoterapia não ataca os sintomas, mas sim as causas teciduais e metabólicas das doenças. Seu trabalho o levará a tratar pacientes com tuberculose para os quais ele notou que seu estado de saúde melhorou pela contribuição de pequenas quantidades de oligoelementos de cobre, zinco, cobalto ... embora suas análises não revelassem deficiência. É como resultado de sua pesquisa no Instituto Pasteur que o Dr. Ménétrier é considerado o pioneiro da Oligoterapia. Foi ele quem estabeleceu as regras da Oligoterapia: Identificando e descrevendo os diferentes terrenos (diáteses), agora reconhecidos como "diáteses de Ménétrier" e destacando as ligações entre diferentes problemas de saúde e os oligoelementos capazes de remediá-los.

 

Em 1942 Jacques MENETRIER reúne, dentro da Fundação Alexis CARREL (Dr. Alexis Carrel, Prêmio Nobel de Medicina em 1912) cria  uma equipe de especialistas para desenvolver o uso terapêutico de oligoelementos. Durante esta conferência, ele apresenta o interesse do uso desses elementos minerais na medicina humana. Seus estudos continuaram a detectar seu impacto terapêutico e identificar as indicações específicas para cada um deles. Durante sua pesquisa, ele estabeleceu 5 diáteses para adicionar um sexto no final de sua vida.

 

Em 1943 - Dr. Jean Ménétrier estabelece seu próprio laboratório de pesquisa; progressivamente o número de micronutrientes usados ​​na terapia aumenta, enquanto as  doses destes remédios são cada vez mais pequenas (oligoelementos diluídos em milionésimos de um grama. 

 

Em 1952 - Jean Suck (ex-membro da equipe de J. Ménétrier) estabelece as bases do "Laboratório de Catálise Biológica" (que se tornará um pouco mais tarde, o laboratório  "LABCATAL"), cuja missão era encontrar uma série de micronutrientes que atendesse aos requisitos da lei sobre drogas.

Toxidade dos Oligoelementos


Uma das peculiaridades dos oligoelementos é que todos eles podem causar rupturas significativas quando trazidos para níveis elevados na dieta humana. Deve ser sempre lembrado que o efeito da ingestão de um oligoelemento depende da dose. Quando o oligoelemento é essencial, tanto a ausência como a ingestão excessiva será letal. Podemos distinguir:
   Os oligoelementos essenciais em risco de deficiência em humanos: iodo, ferro, cobre, zinco, selênio, cromo e molibdênio. Oligoelementos essenciais com baixo risco de deficiência: Manganês, Silício, Vanádio, Níquel, Estanho e Cobalto.

A Ligação Metal-Proteína


Este é um fenômeno fundamental porque, com raras exceções, os metais nunca aparecem como íons livres no corpo; eles são absorvidos, transportados, armazenados e atados a uma proteína. Os metais podem ter dois tipos de ligação de proteínas:

- Ligações iónicas: é o caso dos metais alcalinos ou alcalino-terrosos com carga positiva (Na, K, Ca) que formam então, por ligação iónica, os proteínas facilmente dissociáveis com os grupos acídicos da proteína carregada negativamente;

-Ligações de coordenação: estas ligações próximas à ligação covalente são aquelas de todos os oligoelementos metálicos que formam com as proteínas complexos de força variável e que, quando são difíceis de dissociar, constituem metaloproteínas.

Essa possibilidade de formar complexos que possuem elementos traços provém do fato de serem na sua maioria elementos de transição, que no estado ionizado possuem orbitais incompletos. Eles podem, portanto, formar orbitais de hibridização com átomos vizinhos ligando chamados, fornecendo por coordenação os dois elétrons ocupando o novo orbital.
 

Alguns oligoelementos são cofatores enzimáticos


A maioria dos oligoelementos são metais de transição e, portanto, podem se ligar às moléculas de proteínas que são enzimas, alterando sua forma no espaço e, assim, alterando sua taxa de reação. Esta ligação de um metal a uma enzima é geralmente muito específica para um metal para uma dada enzima. O metal então se comporta como um co-fator essencial para a atividade enzimática, assim como coenzimas, que são cofatores orgânicos derivados de vitaminas, como o fosfato de piridoxal da vitamina B6.

  

Questionário de Oligoterapia

   Um questionário específico pode ser usado para estabelecer a "diátese" da pessoa.

   Se conhecermos a diátese (a síndrome da reação), também podemos saber qual é o elemento traço básico que deve ser recomendado. Exemplo alguém que sofre  de uma  alergia sazonal ( o  no.1 diathesis - síndrome de hiper-reativa ), pode basear-se em elementos-traço:  manganês + fósforo.  Além disso, também se pode adicionar um elemento de rastreio para possível '' desordem neuro hormonal ''  (mau funcionamento  adrenal, 

disfunção  pancreática). Também um oligoelemento '' complementar '' (existe um questionário específico em oligoterapia para verificar se existe '' uma desordem hormonal '' e também um questionário para  determinar o que é o elemento traço '' complementar '' necessário  (exemplo em um caso de alergia

sazonal, pode  adicionar como oligoelementos enxofre complementar .  

 

 

 

 Oligoterapia e diátese
 

   O ponto de vista da medicina funcional é que a medicina clássica não possui ferramentas específicas para lidar com distúrbios funcionais. O médico deve esperar até que um distúrbio funcional se torne uma "patologia" (uma "doença") para realmente agir.

   Oligoterapia ("medicina funcional") pode curar um distúrbio no estágio "funcional", antes que o desequilíbrio se torne uma doença. E tudo graças à descoberta de "diatheses" (em conexão com o diagnóstico de "campo").

 

 Nota. O "solo" é o conjunto de disposições para a doença de um organismo, por exemplo, se o organismo é oxidado (radicais livres em excesso, pH ácido, diz-se que a qualidade do "solo" não é adequada para uma boa saúde. A qualidade do terreno influencia grandemente a nossa saúde. "Não  há moscas, se não houver lixo" (dirá que uma doença pode facilmente ocorrer se o terreno estiver fraco e vice-versa).

Na medicina  clássica de hoje, a noção de terreno não é levada em consideração - é como se utilizarmos um  "mata moscas", não importando que o "lixo" permaneça.

A medicina clássica tem feito um progresso realmente notável e muitas vezes é muito útil em casos de emergência e também em patologia crônica quando as  pessoas são incapazes de cuidar de  si mesmas (então a maioria das pessoas), mas geralmente continua sendo um remédio 

sintomático, que trata  os  sintomas, sem  tratar a causa do mal . 

As 4 diáteses do dr. Jaques Ménétrier:

 Diátese 1 (manganês): alérgica 

Diátese "jovem".

Transtornos artríticos que estão associados a manifestações alérgicas.

   

Diátese 2 (manganês-cobre): hipostênico 

Uma diátese ainda "jovem".

Existem dois sinais que caracterizam este tipo de terreno: artrite e tuberculose.

 

Diátese 3 (manganês - cobalto): distônico

O corpo começa a se desgastar e mostra alguma "fadiga" (condição acelerada, mais pelo modo de vida das pessoas que vivem em uma cidade grande). Problemas nervosos (psicossomáticos) . 

Distúrbios duodenais e dores reumáticas.

 

Diátese 4 (cobre-ouro-prata): anérgica 

Envelhecimento acelerado / prematuro. Fatores que aceleram o desgaste do corpo: estresse,  tensão nervosa, ansiedade, falta de otimismo, etc.

(em  conexão com a "vida moderna").

 

 IMPORTANTE: A oligoterapia é uma terapia preventiva de saúde complementar.
Não substitui o tratamento médico, por força de lei .

 

 

Apresentações e modo de uso 
 

Os elementos traços vêm em diferentes formas especializadas:

 

- solução oral em ampolas,

- frascos de dose única ,

- comprimidos sublinguais

 

A via perlingual ou solução oral é a forma usual de uso. Manter o líquido puro ou comprimido sob a língua por cerca de dois a três minutos permite a absorção direta dos íons catalíticos no sangue. O contato com sucos digestivos ácidos levaria a alguma degradação dos oligoelementos.

Em crianças pequenas, é suficiente despejá-lo em água e não usar metal para evitar o contato com outro metal que possa alterar os oligoelementos. Em bebês, despeje o líquido com um conta-gotas no sulco entre a gengiva e a bochecha, mantendo a cabeça ereta.

A via de injeção intramuscular é raramente usada.

 

Um conhecimento perfeito do uso de micronutrientes torna possível obter resultados inesperados por terapias convencionais que não podem levar em conta as variações funcionais.

A oligoterapia combina perfeitamente com qualquer outra terapia.

Não há interação medicamentosa entre micronutrientes e drogas alopáticas.

 

 

Oligoterapia -  Hoje

 

A necessidade de um equilíbrio em oligoelementos é demonstrada hoje, os profissionais muitas vezes naturopáticos usam esta terapia, que se destina a reequilibrar o corpo e melhorar o funcionamento global, especialmente uma vez que é bem tolerado compatível com outras terapias sem interacção de drogas com o tratamento alopático sem efeitos colaterais e ... barato.

 

Alumínio (símbolo: "Al")

Arsênico (símbolo: "As")

Prata (símbolo: "Ag")

Bismuto (símbolo: "Bi")

Cobre (símbolo: "Cu") 

Cobalto (símbolo: "Co")

Cobre-Ouro-Prata (símbolo: "Cu-Au-Ag")

Ferro (símbolo: "Fe")

Flúor (símbolo: "F")

Iodo (símbolo: "Eu")

Lítio (símbolo: "Li")

Magnésio (símbolo: "Mg")

Manganês (símbolo: "Mn")

Manganês-Cobre (símbolo: "Mn-Cu") 

Manganês-Cobalto (símbolo: "Mn-Co") 

Manganês-Cobre-Cobalto (símbolo: "Mn-Cu-Co")

Níquel-Cobalto (símbolo: "Ni-Co")

Fósforo (símbolo: "P") 

Potássio (símbolo: "K")  

Selênio (símbolo: "Se")

Enxofre (símbolo: "S")

Zinco (símbolo: "Zn") 

Zinco-Cobre (símbolo: "Zn-Cu")

Zinco-Níquel-Cobalto (símbolo: "Zn-Ni-Co")

"Deve-se notar que o papel fisiológico de certos oligoelementos ainda não é totalmente compreendido e que a lista está crescendo de forma constante. No entanto, sabemos hoje que eles são essenciais para a vida: seu papel é essencial como antitóxico e para manter o sistema imunológico no topo, além de serem importantes modificadores de campo ( terreno/corpo )."

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Nosso organismo não fabrica micronutrientes, nós somos providos com o nascimento e depois então só será pela contribuição externa: a comida, que nosso organismo receberá a parte necessária de micronutrientes para o funcionamento bom do seu metabolismo. Hoje, as deficiências nos oligoelementos são observadas com frequência no paciente, bem como nas saudáveis, mas em doses menores."

 

Deficiência de elemento traço
 

A principal causa de deficiência de um oligoelemento é a dieta contemporânea. O uso generalizado de substâncias químicas fitossanitárias - herbicidas, pesticidas, fungicidas - que empobrecem os solos que a planta supostamente alimenta para nos transmitir precisamente os oligoelementos que a constituem.

 

O processamento de alimentos por métodos de refino superutilizados, para permitir uma melhor conservação, açúcar, sal e cereais, tornou-se em poucas décadas "branco", vazio de todos os nutrientes, em contraste com as mesmas mercadorias completas ou semi-completas que, eles fornece uma rica ingestão de nutrientes. 

 

O consumo de um alimento industrialmente processado rico apenas em gorduras, sal, açúcar, corantes, adjuvantes e realçadores de sabor é desprovido dos valores nutricionais essenciais da vida: vitaminas e oligoelementos. Acrescente a isso um cozimento muito longo, muito forte - especialmente no contexto da comida industrial - com utensílios de cozinha inadequados. Todo esse confronto nos traz alimentos desprovidos de interesses nutricionais. 

 

 

O que causa uma deficiência de elementos traços?

 

Todo o metabolismo do corpo é desestabilizado pela falta de oligoelementos, essa desordem resultará em doenças tão diferentes quanto a fadiga crônica, o nervosismo elevado, o sono insuficiente, a digestão difícil, as defesas imunológicas defeituosas, bem como reumatismo ou até distúrbios psíquicos.

 

Nenhum metabolismo pode ser reduzido a uma única reação independente do resto do corpo. Funções tão complexas quanto a digestão, imunidade, resistência nervosa são raramente restauradas com a adição de um único mineral. Por esse motivo, a maioria das prescrições de micronutrientes só pode ser poli-oligoterapêutica. Muitas vezes, é a sinergia entre os vários oligoelementos que relançam as funções bloqueadas ou deficientes.

 

 

 

Oligoterapia na prática
 

As diferentes formas de oligoterapia
 

Do caminho catalítico, onde as contribuições recomendadas são da ordem de um milionésimo de grama, duas outras formas se desenvolveram:

 

- O caminho " nutricional " foi traçado pela ciência dos alimentos na década de 50. Esse caminho classifica os oligoelementos como essenciais e não essenciais, define a função de cada elemento simples, descreve as alterações que sua deficiência causa,  e fixa necessidades diárias médias de acordo com condições particulares ou idade dos indivíduos. A proporção recomendada é expressa em miligramas ou frações de miligramas.

 

- A rota " farmacêutica " mais recente é baseada no uso de oligoelementos de alta dose. A proporção recomendada é na faixa de miligramas. Está limitado a alguns casos especiais de patologia orgânica.

"Uma consulta de Oligoterapia é um momento único porque você é único."

Acompanhe matérias exclusivas:

  • telegram icone
  • whatsapp_aherbalista
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • YouTube
  • messenger icone
  • Instagram

 - International Knowledge of Food, Herbs & Health -

CNPJ: 35.221.166/0001-12  -  BRASIL